Recife (PE), Brasil

domingo, 18 de dezembro de 2011

Fecha o cerco contra o cigarro

Fecha o cerco contra o cigarro
Durante o processo de negociação existia a possibilidade de permitir que as marcas de cigarro pudessem patrocinar eventos, mas a Presidente vetou a autorização. Em contrapartida, a indústria será isenta da taxa anual de R$ 100 mil por marca de cigarro, para produtos exportados, que eram pagos à Anvisa. Também incluso na medida, a partir de 2016, as embalagens terão 30% da frente ocupada com advertências de riscos à saúde.
Mas essa luta contra o cigarro não vem de hoje. Recentemente a Câmara já havia definido o aumento na tributação do cigarro, através de medida provisória. Com as novas alíquotas, a Receita espera praticamente dobrar a arrecadação do IPI sobre cigarros. A previsão é passar dos atuais R$ 3,7 bilhões anuais para R$ 7,7 bilhões anuais a partir de 2015 (quando o cigarro vai estar 55% mais caro). A carga tributária sobre o produto, atualmente entre 58% e 60% em média, passará para 81%.
Outra notícia que também causou discórdia foi a audiência pública para debater o fim dos cigarros aromatizados. Um dos argumentos é que o cigarro aromatizado induz o consumo do produto por adolescentes. Segundo a Anvisa, nos últimos três anos a quantidade de marcas com aroma teria quase duplicado.
Receita espera praticamente dobrar a arrecadação do IPI sobre cigarros
A polêmica dessa nova postura governamental em todo o mundo tem chamado a atenção do autor David Harsanyi, que diz acreditar que a sociedade convive hoje com o “Estado babá”. Com a expressão, Harsanyi se refere a decisões governamentais de colocar práticas políticas de comportamento e ética individual, enquanto o autor afirma que a decisão deve partir de cada um. (Veja entrevista)
O pneumologista Emmanuel Campelo acredita que todos os projetos que vêm sendo discutidos fazem uma diferença real para os que pensam em fumar. “Antigamente os jovens começavam a fumar para aparecer, para fazer parte de um grupo social. Com o fim dos fumódromos, por exemplo, fumar vai excluir a pessoa daquele ambiente, saindo do ambiente sociável, vai ser uma forma de exclusão social, e não de inclusão”, afirma.
Na opinião do estudante Rodrigo Lima (21), fumante há três anos, o governo está sendo radical. “Acredito que não pode existir o estímulo para o cigarro, e não há. Mas e a liberdade pessoal? Isso prejudica a economia e cria uma lógica separatista, o que do meu ponto de vista é muito perigoso, as pessoas estão criando uma espécie de aversão aos fumantes”, disse.
Para o diretor executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) Valter Jaroki, o número de fumantes em lugares públicos já diminuiu muito. “O cigarro é uma droga lícita, as pessoas têm o direito de fumar se elas quiserem, acredito que deva existir a convivência em harmonia”, disse. “As pessoas já não fumam em lugares fechados, e acredito que o número de fumantes já tenha diminuído bastante. A postura da Abrasel é imparcial, pois acreditamos que os diretos tanto dos não fumantes quanto dos fumantes devem ser respeitados”, completou.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Tibet: O apelo por ajuda


Há alguns dias, Palden Choetso ateou fogo em si mesma e morreu. Desde o mês passado, nove monges e freiras budistas se auto-imolaram para protestar contra uma crescente repressão chinesa sobre o Tibet. Estes atos trágicos são um apelo desesperado por ajuda -- e podemos responder a seu chamado. A China restringe o acesso à região do Tibet, mas se conseguirmos persuadir seis governos que têm laços próximos com a China a enviarem diplomatas para essa área, vamos expor uma repressão esse ascendência, e salvar vidas. Assine a petição urgente agora!

Sign the petition


649,572 assinaram a petição. Ajude-de nos a chegar em 1,000,000

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Movimento Gota D'Água - Uma Outra Visão

Amigos,

Para quem está procurando mais informações para se posicionar mais conscientemente sobre a polêmica Belo Monte x Movimento Gota D'Água, repasso análise recebida de Sergio Augusto Mota Caracas (não sei se foi ele mesmo quem escreveu), com informações mais aprofundadas sobre a polêmica.
Olha quem está por trás da musa do Gota Dágua

"O vídeo do Movimento Gota D'Água de fato possui uma qualidade inquestionável e um roteiro muito bem elaborado. Porém gostaria de compartilhar outra visão.
Algumas informações estão parcialmente equivocadas, para não dizer erradas:
1. A Usina não será paga com impostos, pois é um empreendimento privado (Eletrobrás ,SEM, e empreiteiras). Será financiada com recursos públicos, é verdade, mas será pago com a tarifa da energia elétrica, que, aliás, tem preço definido de R$ 77,97/ MWh. Só para efeito de comparação o preço de Itaipu é R$86,90/MWh. O governo se compromete a comprar a energia, o que garantirá o pagamento do financiamento. O tempo de concessão será tão maior quanto o tempo de retorno do investimento. Mas daí a dizer que será paga diretamente pelos impostos há uma distância muito grande.
2. A área inundada para formação do lago será de 516km2, enquanto em Itapu foram inundados 1.350km2. Hoje as hidrelétricas, ou hidroelétricas, não necessitam de grandes reservatórios, pois funcionam com fio d´água.
Representação virtual da Usina Hidrelétrica de Belo Monte
3. Atualmente são incontestáveis os benefícios de Itaipu para a sociedade, não só no que se refere a energia, como para o meio ambiente. Graças a governança da Itaipu sobre o lago, foi formada em toda sua extensão uma reserva de mata legal entre 50m e 100m de largura, evitando o açoreamento do lago, pelo menos na Bacia 3 do Paraná. Emprendimentos como estes ajudarão a preservar a mata, não por ideologia “ecorradical”, mas por interesses econômicos (“ecopragmatismo”).
4. Somente em 2008 11.968 km2 da floresta Amazônica foram queimadas, servindo para pastos, que provocam a desertificação. Não temos fiscalização suficiente para proteger a Amazônia dos desmatadores, e dos interesses agropecuários. É necessário outro modelo. Usinas hidrelétricas podem ser uma solução inteligente, pois sua matéria prima é a água e proteger este bem passa a ser questão de grantir a continuidade do negócio. Assim como Itaipu, que possui diversos projetos para proteger o lago, e possui um parque tecnológico que desenvolve projetos sócio-ambientais, Tucurui vai pelo mesmo caminho. A Chesf também estuda a recomposição das matas do São Francisco, despredadas pelos agricultores e não por eles!
5. Alguns projetos da Itaipu, e do Parque Tecnológico Itaipu, que contribuem para a conservação do meio ambiente: a. Cultivando Água Boa: entre outras coisas, estimula os agricultores a utilizarem agricultura orgânica, evitando toxidade para o lago. b. Projeto Ñandeva - projeto de capacitação do artesão, envolvendo índios e outras comunidades, com o apoio do Sebrae, que de fato traz melhoria de vida para esta comunidade ( e não o lenga-lenga do "pobrizinho coitado" defendido por Sting, Cameron, e outros). c. Plataforma Itapu de Energias Renováveis - projeto que estimula a geração de energia elétrica a partir de biodigestores. d. A lista seria interminável.
6. Nenhuma fonte de energia é viável se utilizada isoladamente. É preciso contruir uma matriz diversificada. Um parque eólico pode ser útil para atender pequenas cidades e evitar grandes linhas de transmissão; energia solar pode ser interessante para suprir parte das necessidades de uma residência ou condomínio, mas sem esquecer que o seu processo de fabricação é altamente poluidor; a usina hidrelétrica é energia renovável e limpa, mas tem a questão da mudança da geografia pluviométrica. O segredo é a combinação inteligente das soluções e não a “demonização” de uma única, tornando “santa” as demais – que não são!
7. Alguns números para comparar Belo Monte com um Parque Eólico: a. A capacidade instalada de Belo Monte será de 11.233MW; o Parque Eólico da Prainha (na frente do Beach Park) tem capacidade de 10MW. b. O fornecimento líquido de energia de Balo Monte será de 4.570MW; o da Prainha é 3MW. c. O custo de Belo Monte será de R$20 bilhões + custos indenizações e benfeitorias que totalizarão R$28bilhões; para substituir Belo Monte seriam necessários mais de MIL parques eólicos como os da Prainha!!!! Já imaginaram este monto de cataventos gigantes no litoral do Ceará? Seria necessário ocupar 500km do litoral cearense para termos a energia equivalente! Isso não é impacto ambiental???  d. O custo de geração da energia de Belo Monte será de R$77,97/MWh; o custo de geração da energia eólica varia muito, entre R$148/MWh e R$200/MWh. Se toda a energia fosse hoje produzida por parques eólicos teríamos um aumento de quase 100% da tarifa de energia elétrica. Quem paga a conta?? Todos nós! Mas a energia eólica tem suas vantagens: indicada para pequenas localidades e evitar grandes linhas de transmissão. Assim é bom termos uma na Prainha, em Morro Branco e assim por diante. Cada tipo de energia com suas características. A propósito, Belo Monte funcionará por fio d´agua, com isso seu reservatório será de 546km2, somente 23kmx23km, ou o equivalente a 15 dias de desmatamento.
8. De fato Belo Monte funcionária a plena carga 4 meses por ano, meia carga durante 8 meses, e baixa carga no período de seca. Mas foi projetada para isso, e justamente para diminuir o impacto ambiental! Nós temos uma malha de hidrelétricas, que aproveita o regime de chuvas diferenciado em cada região. Assim, quando chove muito no norte, temos seca no sul, e vice-versa. Aliás esta parte do argumento deles achei má-fé.
9. É muito lindo colocar atores globais defendendo um ponto de vista, mas ao mesmo tempo fico em pânico com este tipo de coisa. O poder de influência deles é açgo incrível, podendo – voluntariamente ou não – mobilizar multidões para ações equivocadas. A suas imagens se confundem como araultos da ética e da dignidade, quando na verdade são pessoas como nós, sujeitos a equívocos.
10. A propósito, a reserva do Xingu fica a juzante da usina (abaixo) e não acima. Ou seja, após a usina estar em pleno funcionamento o rio terá o seu fluxo “quase” normal. Do jeito que é colocado, parece que o parque será inundado!
Resumo da ópera: Não defendo o desmatamento e nem a irresponsabildiade ambiental. Defendo a argumentação, o bom senso e a não-manipulação da informação. Defendo a exigência das contrapartidas ambientais e o cumprimento dos compromissos assumidos. A verdadeira luta não é impedir este tipo de empreendimento, mas exigir de quem for explorá-lo, contrapartidas sociais e ambientais sustentáveis; apoio a projetos e parques tecnológicos; conservação de mata ciliar; criação e fiscalização de reservas ecológicas com recursos da propria usina; e por aí vai."

Imagens:
desmatamento
custo energia

Fontes:

"Chega de só criticar e apresentar problemas, está na hora de mostrar alternativas!!!!
Se você concorda com os meus argumentos, divulgue estas informações.  Concorrer com a Maitê Proença tirando o sutiã é impossível!"

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Prefeito do PSDB é indiciado por assassinato de blogueiro petista

      

O prefeito tucano de Serra do Mel (RN), Josivan Bibiano, foi indiciado como mandante do assassinato de Ednaldo Filgueira, blogueiro e presidente do PT no município, localizado a 240 Km de Natal. O crime ocorreu na noite do dia 15 de junho e o indiciamento do prefeito foi divulgado na semana passada.

Ednaldo Filgueira tinha 36 anos e era colaborador do Jornal Serrano, que circulava em Serra do Mel e localidades próximas, e era um dos responsáveis pelo blog do periódico. O blogueiro era um dos principais opositores à gestão do PSDB na cidade, situada numa região com forte incidência do crime organizado.

Na véspera do crime, Ednaldo havia publicado no blog uma enquete perguntando à população se era possível acreditar na prestação de contas da prefeitura. No dia seguinte, o blogueiro recebeu ligações anônimas com ameaças e cobranças de retirada da enquete do site, o que ocorreu em seguida. Poucas horas depois, enquanto fechava o seu local de trabalho, dois homens o abordaram e dispararam seis tiros.

A direção estadual do PT acompanha o caso, que já teve oito suspeitos presos. A parlamentar Fátima Bezerra (PT-RN) considera o crime um atentado à liberdade de expressão e de atuação política. “A Polícia Civil e o Ministério Público trabalharam com agilidade. O inquérito está muito bem instruído e indica que o assassinato teve motivação política, o que é um absurdo. O crime foi uma covardia contra Ednaldo e os seus executores e mandantes precisam ser punidos exemplarmente, inclusive para que episódios como esse não se repitam. A liberdade de expressão e a liberdade de atuação política foram violadas e esperamos que este crime não fique impune”, afirmou Fátima.

Em junho, durante o II Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, realizado em Brasília (DF), Ednaldo Filgueira foi homenageado pelos mais de 300 participantes do evento. A ong francesa Repórteres sem Fronteiras publicou nota sobre o caso dizendo ser fundamental “que o conjunto da classe política local se mobilize pela averiguação da verdade, em nome da defesa das liberdades e do debate democrático”.
Josivan Bibiano, que também teve o irmão indiciado como autor intelectual do crime, se diz vítima de perseguição política.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Lula, o câncer e as quatro revistas


Repasso comentário de um amigo, retratando a diferença de tratamento dado pelas quatro revistas semanais. Vejam e tiram suas conclusões sobre quem faz jornalismo sério (ou não) neste País.
 

Lula, o câncer e as quatro revistas
Na banca, as quatro revistas estavam uma ao lado da outra.
As três primeiras puseram Lula olhando para cima. A última foi a única que pôs Lula olhando para baixo.

Acoelhof  Fortaleza 

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Nova York - Relato dos dias 10 e 11/11 (final da viagem)

Na 5ª feira, dia 10, resolvemos ir às compras novamente. Pegamos o ônibus para o Woodbury Common Premium Outlet, que sai da esquina da Rua 47 com a 8ª Avenida.

Marinês adorou as compras, pois havia muitas promoções interessantes.

Retornamos às 18h e chegamos ao hotel por volta das 20h.
Depois de arrumarmos as malas, fomos curtir nossa última noite em Nova York no Bourbon Street Bar.

Apesar do nome, não é um bar de jazz/blues, como eu pensava, mas um típico bar americano, com dezenas de TVs transmitindo jogos de futebol americano e tocando músicas pop/rock.

Entretanto, o bar é muito frequentado por gente descolada.

Tomamos um bom vinho californiano e experimentamos um combo de tira-gostos bem interessante.

Na manhã do dia 11 aproveitamos nossos últimos momentos em Nova York para andar um pouco mais por Nova York e conhecermos as lojas da Apple e da Sony, entre outras.

Para finalizar, gastamos o resto da manhã curtindo um pouco mais do Central Park.



De volta ao hotel, ficamos aguardando nosso transporte para o aeroporto (contratamos a empresa Go Air Link, que cobrou apenas 20 dólares por pessoa para levar-nos ao aeroporto em uma Van compartilhada).

Esta era nossa rotineira "mesa do café", na recepção do hotel
No aeroporto do Rio, nos despedimos dos amigos corredores que conhecemos na viagem de volta.
Já em casa, finalmente pude relaxar curtindo a lua na nossa varanda, depois de 10 dias de viagem, cansativos mas muito bem aproveitados.



Vejam mais fotos da viagem em meu álbum online: https://picasaweb.google.com/edilson.queiroz.

Nova Yok - Relato do dia 9/11 (quarta-feira)

Começamos o dia curtindo de novo a cidade de Nova York do alto, só que desta vez de dia e do tradicional Empire Estate Building.

O dia estava claro, mas havia uma grande faixa de poluição para o lado norte. Outra curiosidade é que do Empire quase não dá pra ver o Central Park. Assim, a melhor vista de Nova York é a do Top of the Rock, no Edifício GE (prédio largo no centro, ao fundo, em frente ao Central Park), pois de lá vemos bem o parque, além do próprio Empire State.


Do lado oeste, vemos New Jersey, do outro lado do Rio Hudson.


Do lado sul, vemos Lower Manhattan, incluindo o complexo de edifícios onde ficavam as torres gêmeas e a Estátua da Liberdade.


E do lado leste, vemos o Edífico da Chrysler e a Ponte do Brooklyn.

No 2º andar do Empire State, conhecemos ainda o Skyride, que é um brinquedo que simula uma viagem aérea por Nova York. É interessante, mas Marinês ficou enjoada porque o brinquedo balança bastante, simulando movimentos bruscos de um helicóptero.
Depois de andarmos um pouco pelo comércio, almoçamos e fomos conhecer o Central Park.

Pena que já estava perto de anoitecer e não deu pra aproveitar todo o parque.

Mesmo assim foi muito agradável.

Quando escureceu, resolvemos voltar, por medida de segurança, e também porque já estávamos bem cansados.



Vejam mais fotos em meu álbum online: https://picasaweb.google.com/edilson.queiroz/20111109NovaYork#.